Make your own free website on Tripod.com

Resenhas Literárias

ODISSÉIA
Principal
Escritores
Citações
Contact Us
Biografias
Bibliografia

Autor: Homero

Sequencia de Iliada, conta a história da volta de Ulisses à sua terra natal, Ítaca, após ardente luta contra a cidade de Tróia. Sendo aguardado por seu filho, Telemaco, e sua fidelissima esposa Penelope, é sempre protegido por Palas Atenas. Incontaveis são os desafios e aprovações que o herói grego tem de enfrentar até regressar a sua pátria. Sereias, ciclopes, deuses, essa narrativa é sem dúvida um grande marco de toda a literatura épica ocidental.

Personagens:
Ulisses:    Rei de Ítaca
Penélope: Esposa de Ulisses
Telemaco: Filho de Ulisses
Ciclopes:  Gigantes antropofágicos com um único olho na testa
Rei dos Ventos: Monarca de uma ilha flutuante farta controlador dos ventos
 

Resenha:  (PS: Todos os comentarios entre [] são comentários pessoais)
 
 
Intrudução:
"Em tempos imemoriais havia uma cidade sagrada chamada Tróia, que se viu palco de uma guerra famosa. A renhida luta durou dez anos (...) os assaltantes, que eram gregos, valendo-se de um feliz estratagema [Cavalo de Troia], ocuparam-na, não deixando pedra sobre pedra."
"Vencidos os troianos, trataram os gregos de retornar aos seus lares. Entre eles, Ulisses, rei da pequena ilha de Ítaca."
 
A história começa com o fim da Guerra de Tróia, onde os gregos venceram usando de uma estratégia inusitada [atualmente conhecida por todo o mundo], o Cavalo de Troia. Conseguiram resgatar a bela Helena, e então começa a empreitada de volta ao lar.
Saíram em uma frota de 12 navios com cinquenta tribulantes em casa. A primeira cidade  avistada foi Ismaros onde saquearam. Ulisses aconselhou a partir de imediato, mas os homens não escutaram. Os nativos juntaram um grande contingente e houve uma batalha expulsando finalmente os gregos da ilha. As baixas foram consideradas: Seis homens de cada barco.
Já avistavam a ilha de ìtaca quando caiu uma tempestade que os arrastou para muito longe e o regresso se estendeu por mais dez anos cheio de aventuras e dificuldades.

A TERRA DOS CICLOPES:
Ao por do sol Ullises encontra uma ilha deserta onde a praia mansa oferecia segurança aos fadigados. E por lá dormiram.
Na manhã seguinte, o banquete foi devorado, com as iguarias saqueadas de Ismaros e cabras selvagens da praia. "A cerca de dois quilometros havia uma outra ilha, maior e dando mostras de habitada. Ulisses observou-a bem e decidiu" sair para descobrir a indole do povo estranho. Saiu com 12 homens, um saco de couro cheio de vinho e uma porção de trigo tostado.
É quando começa a primeira adversidade após a tempestade. Perambularam até achar uma gruta que parecia ser morada de um pastor. Um dos homens tentou alertar e retrocederem mas Ulisses não ouviu e entrou na caverna, os outros seguiram.
"Anoitecia quando o cíclope voltou. Era um gigante imenso, olho na testa muito aberto e encimado por espessa sobrancelha." Ciclopes são gigantes antropófagos com um único olho no meio da testa.
Ao acender uma fogueira na gruta o ciclope encontrou os homens e não houve argumentação para salva-los. Dois homens foram facilmente agarrados e devorados pelo ciclope que tapou a entrada da gruta com uma pedra, bebeu seu leite e dormiu.
A Ulisses lhe ocorreu que poderia matar o ciclope com um golpe de espada, mas dessa maneira todos morreriam pois não conseguiriam tirar a pedra do caminho para sair da gruta.
O ciclope acordou bem cedo comeu mais dois companheiros de Ulisses e saiu, mas recolocando a pedra na boca da gruta. "Ulisses passou muitas horas imaginando como poderia safar-se e safar os companheiros. E afinal armou um plano. Havia na gruta um tronco de oliveira. (...) Ulisses Ulisses tirou uma boa acha do pau, aguçou-a numa das pontas, endureceu-a no fogo e escondeu-a".
Ao anoitecer o ciclope voltou, comeu mais dois e Ulisses oferece um presente ao ciclope: o saco de vinho, um dos melhores vinhos que roubou de Ismaros. O gigante bebeu adorou e retribuiu com um presente para Ulisses: Me diga teu nome, disse o ciclope. Ulisses respondeu: Me chamo Ninguem. Entao o ciclope declarou: "Meu presente é muito simples: voce será comido por último" e dormiu.
Os prisioneiros, então agiram rápido. Puseram a acha no fogo e furaram o olho do ciclope que berrou tão alto que acordou todos os ciclopes da ilha. Os ciclopes enfurecidos do lado de fora da gruta perguntaram: "Que diabo voce tem para fazer tal escarcéu a ponto de nos acordar? Sera que estão lhe roubando, ou estão ferindo-o?" e o ciclope despondeu "Ninguém me feriu!". E os outros ciclopes achando que, portanto, não havia nenhum problema se retiraram. Ulisses sorriu por ter enganado o ciclope com um nome falso e sabia que se todos aqueles ciclopes descobrissem a verdade eles morreriam na hora.
O ciclope sentou do lado de fora da gruta para se recompor, mas tampando a passagem. Ulisses agiu rapido e astutamente para escapar daquela situação. Amarrou seus companheiros em baixo carneiros que estavam dentro da gruta, assim quando os carneiros possem pastar e o ciclope estando cego, mesmo apalpando-os não sentiriam os homens, apenas os carneiros. Assim escaparam da gruta do ciclope e ainda conseguiram comida por um bom tempo.

REI DOS VENTOS:
"Após navegarem um bocado de tempo, chegaram a uma ilha flutuante que era lar do rei dos Ventos". Após hospedarem-se por tres meses até decidirem continuar a viagem à Itaca. O rei dos Ventos deu de presente um saco feito de couro de boi em cujo interior estavam presos todos os ventos desfavoráveis à jornada, o que fez com que soprasse do oeste uma brisa mansa e favorável. Ulisses manobrou sozinho o barco por novo dias sem pausa e já dava pra ver as luzes da cidade quando extremamente cansado caiu no sono. Então os homens, desconfiado do conteúdo do saco ganhado por Ulisses que poderia conter grandes joias e riquesas, levados pela cobiça abriram e soltaram todos os ventos hostis, oq ue levou o barco para longe. Ulisses despertou com o barulho dos ventos e quis se atirar ao mar. O barco retorna à ilha do rei dos Ventos e o monarca afirma "Não tenho costume de proteger os homens que os deuses desprezam. De o fora daqui!". Assim continua a saga mar adentro.

OS CANIBAIS DE LAMOS:
Chegaram na cidade de Lamos, num país onde a noite é luminosa como o dia. O lugar agradável e o mar extremamente manso. Todos atracaram no estreito porto apenas Ulisses precavido ficou do lado de fora, encarregando dois homens de conhecer o rei do local. Ao chegarem lá ficaram atemorizados pela aparencia da rainha que era "robusta como uma montanha e de aparencia medonha" e desatinaram a correr, a rainha deu o alarme para o rei que por sua vez avisou a população: era uma vila de canibais. Os barcos foram apedrejados e os homens todos comidos, excetuando-se os homens da embarcação de Ulisses que ao se virem em perigo remaram com o maximo de vigor para longe, a sorte foi já estarem do lado de fora do porto. O navio de Ulisses foi o único a sobrar, dos doze que partiram.
"Conduziram o navio para uma praia, (...) sentaram na areia (...) e por dois dias não fizeram outra coisa senão lamentar os infaustos acontecimentos - dos seissentos homens que eram, se viam reduzidos a uns trinta". 

O FEITIÇO DE CIRCE:
No terceiro dia Ulisses se recuperou e subiu em um monte para ter idéia do lugar onde estavam. Na manhã seguinte Ulisses decidiu contar aos companheiros que vira uma casa e gostaria de ver quem morava lá. Os homens não gostaram da idéia por estarem traumatizados pela última aventura.
Ulisses então dividiou o grupo em dois: Um liderado por ele mesmo e o outro liderado por Euríloco, então tiraram na sorte o grupo que ia explorar a região. O grupo de Euríloco perdeu e foi para a casa. Ouviram um canto. "Chamaram-na, e a bela Circe, hábil na arte dos bruxedos, surgiu à porta e os convidou a entrar. Acederam e também aceitaram um copo de vinho que ela ofereceu. O vinho era, misturado com queijo, farinha de cevada e mel dourado, mas Circce adicionara ainda uma porção de certa droga misteriosa (...) e os homens foram transformados em porcos".
Euríloco tinha ficado do lado de fora junto com Célere que correu para contar para Ulisses o que havia acontecido. Ulisses foi salvá-los.
 

Análise

*************RESENHAS LITERÁRIAS***************